ÚLTIMOS

domingo, 1 de novembro de 2015

Sonho Lúcido, uma crença?!

    Para Daniel Dennett¹, na época da publicação de seu texto(1978), o sonho lúcido nada mais era que apenas mais um tema de sonho como qualquer outro.

A idéia de sonhar que teve um sonho lúcido, para explicação dos sonhos lúcidos, foi um argumento usado por Daniel Dennett e resiste ao tempo como um modelo interessante. Na imagem, cena do excelente filme A Morte nos Sonhos.

    De fato a idéia de Dennett não só era um belo argumento para contestar a existência dos sonhos lúcidos - pelo menos até sua comprovação - assim como ainda serve para ajudar a identificar um tipo de sonho que pode trazer a ilusão da presença da consciência. 

    Assim... é possível alguém sonhar que teve um sonho lúcido e não ter ficado consciente no sonho? Essa questão intrigante já foi debatida "aqui" nosso Fórum de sonhadores lúcidos. E partindo daquelas argumentações muito bem colocadas pelos companheiro(a)s do fórum, mais os textos do Dennett², pode-se elaborar essa interessante perspectiva:

  Quando se sonha que teve um sonho lúcido, o sonhador não estaria munido de capacidade de raciocínio, reflexão ou memória da vigília. Seria apenas um sonho com esse tipo específico de tema, no qual há crença de ter ficado consciente, porém sem o comportamento reflexivo-mental típico de alguém desperto.

Outra cena do filme Dreamscape - A Morte nos Sonhos, de 1984.


    Exemplificando, em um sonho hipotético: 
(...)percebi que estava sonhando e voei. Nesse momento notei estar nu e ao olhar para baixo crianças soltavam risadas, para minha total vergonha. Tentei sair desesperado dali, porém acabei pousando lentamente e chorei. 

   Afinal posso sonhar que tinha uma super-memória, sonhar que era um grande gênio de absurda inteligência ou fenômeno criativo musical... sem que eu realmente tenha atingido essas habilidades. Da mesma maneira posso ter sonhador que fiquei consciente!... Porém ao analisar o sonho, como no exemplo acima exposto, evidencia-se a ausência de elementos básicos da consciência, como o raciocínio focado na percepção de que tudo era apenas um sonho e a memória de que na verdade eu estava dormindo na minha cama.

    Outros relatos típicos são os sonhos em que o sonhador pareceu ter alguma percepção de que estava sonhando, mas imediatamente passa a confabular com outros personagens do sonho, eufórico com a novidade... e insiste em conseguir reações inteligíveis, chegando mesmo a ficar frustrado com as reações(???) dos seus próprios construtos mentais, para logo depois cair em algum tipo de comportamento contraditório para com a presença da consciência.


De acordo com recentes pesquisas conduzidas por Ursula Voss, Windt e outros, talvez seja possível identificar fatores para uma escala de grau de consciência nos sonhos. Na imagem, cena do filme Skanner Darkly - O Homem Duplo, baseado na obra de Philip K. Dick.


    Para Ursula Voss, Windt(e outros)³, é possível estabelecer uma espécie de escala indicativa da presença da consciência ou da qualidade da lucidez no sonho. Esses fatores são: insight (nesse caso a percepção de se estar sonhando), raciocínio, memória, controle, tipos de emoção e autopercepção. Mas aqui já é tema para outro texto.

    Parece evidente que possa existir diferentes graus de consciência nos sonhos, assim como no estado desperto. Uma boa ferramenta para ajudar a reunir a concentração no sonho (e talvez intensificar a consciência) é fazer planos no estado desperto. Procure planejar experimentos que possam oferecer algum leve desafio. Só o fato de conseguir se lembrar disso a partir do estado mental do seu sonho, poderá contribuir bastante para qualidade do seu sonho lúcido.


DENNETT, Daniel C. Brainstorms: Ensaios Filosóficos Sobre Mente e Psicologia. São Paulo:      UNESP, 1978. p. 187-209

_________(1979): The Onus Re Experiences. Philosophical Studies 35: p. 315-318.

Voss, U., Schermelleh-Engel, K., Windt, J. M., Frenzel, C., & Hobson, J. A. (2013).
Measuring consciousness in dreams: the lucidity and consciousness in dreams scale.
Consciousness and Cognition, 22(1), 8–21.

18 comentários :

  1. Esse tipo de sonho que VC falou nada mais é que sonho comum.a pessoa apenas sonha que ficou lucida mas na verdade esta num sonho comum.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. "As mais de 3 mil pessoas do grupo Sonhos Lúcidos, no Facebook, não têm nenhuma dúvida de que ter sonhos lúcidos controlados seja perfeitamente viável pra qualquer tipo de pessoa".

    Revista Galileu. Disponível em: < revistagalileu.globo.com/Ciencia/Neurociencia/noticia/2014/01/ciencia-dos-sonhos-lucidos.html > . Acesso em 12 de novembro de 2015.

    "Em português, o site sonhoslucidos.com e o WikiHow têm extenso material sobre como conseguir sonhos lúcidos".

    Revista Galileu. Disponível em: < revistagalileu.globo.com/Ciencia/Neurociencia/noticia/2014/01/ciencia-dos-sonhos-lucidos.html . Acesso em 12 de novembro de 2015.

    Com uma pesquisa no google pode-se chegar a este site ou ao fórum através de referências. Tudo isso resultado do reconhecimento de um bom trabalho do Márlon.

    já tinha lido a respeito desta perspectiva acerca dos sonhos lúcidos. Se há um comparação com a realidade que leva em conta as variáveis que interferem no comportamento do indivíduo e o tiram a lucidez/sobriedade, tais como bebidas, drogas, acidentes ou estados psíquicos, podendo isto se aplicar por exemplos em testes psicológicos, seria então possível criar uma escala para medir a lucidez nos sonhos, a partir de dados como o próprio relatos ou aparelhos para a monitoração de estados físicos?

    A passividade se aplica a feitos do cotidiano associados a memória como mudar a marcha de um carro. Fazemos algumas coisas "automaticamente" ou ainda ficam automáticas quando caem na rotina ou são repetidas. Algo similar ocorre nos sonhos normais sendo que, o desejo de ficar lúcido associado a técnicas muitas vezes é o suficiente para quebrar o automatismo do sonho.

    Muitas vezes me peguei sentado dentro do sonho pensando o que era tudo aquilo, aguardado a luz da janela que penetrava no quarto desmanchar o cenário onírico com o que chamo de pôr dos sonhos. Quando acordo continua o mesmo pensamento, que acordei de um sonho lúcido e a ciência de si e do mundo não havia mudado em comparação do sonho com a realidade. Escutar a barulho dentro do sonho ou identificar que a tv deve ter ficado ligada por estar sonhando com um filme que ia passar poderiam servir de provas para comprovar a lucidez do sonhador.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Brigadao pela contribuição Master Hiriu! O Fórum que tu administra serviu de referência tanto para esse post como para minha monografia(nossa cachorrinha Amy tendo pesadelo agora aqui do lado rs).
      Essas trocas de experiencias são valiosas para o desenvolvimento da área. Seja do campo de pesquisa, seja da habilidade ou da simples divulgação do conhecimento, é bom ver como podemos estimular e contribuir para esse desenvolvimento acontecer.

      Excluir
  4. Reizen voltou e Ramon sempre se esforça também. Estamos bem unidos. De uma olhada quando puder.

    Os dados de comunidades e chats são engolidos como uma cascata, mas no fórum ficam como registro que podem ser acessados a qualquer data.
    Muitos entram parar pegar dados para trabalhos, e são bem válidos. O número de membros cresceu bastante.

    Enfim, parabéns pelo bom trabalho. Creio que eu faça algum projeto na área da psicologia também através do fórum.
    Abraço... ótimo post

    ResponderExcluir
  5. Olá. Acabei de ter a experiência mais intensa. Já tinha tido relances. Há algumas semanas percebi que tive sonho lúcido mesmo. Vocês materializam coisas? Espaços, ambientes e objetos? Voam? Etc?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ainda, acreditam que a realidade pode ser vista por lá? Algo no sentido de interpretação do que aconteceu?

      Excluir
    2. Normalmente procuro aplicar a Técnica das Portas.

      Excluir
    3. A realidade do estado desperto se apresenta por lá de diversas maneiras. Pode ser de maneira simbólica, literal ou apenas como matéria prima para nosso inconsciente.

      Excluir
    4. A realidade do estado desperto se apresenta por lá de diversas maneiras. Pode ser de maneira simbólica, literal ou apenas como matéria prima para nosso inconsciente.

      Excluir
  6. Rapaz, estou tentando ter sonhos lúcidos a 23 dias e até não consegui ter nenhum que me lembrasse... Hoje quando acordei, tive a sensação de ter tido um, mas não conseguia me lembrar :). Eu estou querendo ver se eu consigo um através do sensor tátil( colocando o celular pra vibrar). Mas é isso aí, uma hora se Deus quiser e se nós vivermos eu conseguirei!
    E parabéns pelo blog, muito bom!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Brigadao Filipe. Seja sempre bem-vindo!
      Tua qualidade de sono está boa? E fundamental dormir bem p chegar nas últimas fases de REM.
      Não esqueça do Diário de Sonhos e de observar princípios de bons Mr todos como MILD e Tholey ;)

      Excluir
  7. Márlon, aproveita uma horas dessas aí e publica alguma coisa sobre essa técnica. Eu vi ela lá no forúm...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vou dar uma boa lida. Brigadao pela dica!

      Excluir
  8. Hahaha. Eu durmo às 10 horas e acordo às 5:30. Na verdade, eu vou me deitar às 9:40 pra poder pegar no sono antes e ficar às 10 inteiras de sono, né?! E estou tentando acordar às 03:00 da matina para aplicar a técnica da incubação, porém meu celular está meio assim... Muito obrigado aí

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...